Verdade por Velocidade. Liberdade por Segurança.

Com as urnas eletrônicas, entregamos a verdade em troca da velocidade. Na pandemia, entregamos a liberdade em troca de segurança. A luta para recuperá-las, levará décadas.

A extrema dificuldade em ver o trâmite e a aprovação das urnas auditáveis ou voto impresso auditável, traz à luz uma verdade esmagadora, que não pode mais ser negada pelas pessoas:

Quando entregamos algum bem de altíssimo valor em troca de uma conveniência temporária, acabamos sem as duas, ao final.

Resultado de Eleições no Mesmo Dia

Os mais novos não se lembram, mas antes da adoção das urnas eletrônicas, o voto era em cédulas de papel, que tinham de ser contadas manualmente.

O resultado das eleições levava dias e as parciais iam se arrastando lentamente ao longo deles.

A novidade da urna eletrônica trouxe a velocidade da apuração. Sentamos todos ansiosos em nossas salas acompanhando as apurações nas cidades, estados e na presidência.

Ao invés de dias, contamos as horas para que finalmente haja um vencedor já matematicamente garantido e nos deliciamos com nossas vitórias ou esbravejamos com nossas derrotas.

O espetáculo da democracia transformada em circo, entretenimento, programa de televisão.

Após as Eleições de 2014 e, agora, com o assunto em pauta nos damos conta de uma coisa:

Trocamos a VERDADE DAS ELEIÇÕES pela VELOCIDADE DAS APURAÇÕES. Agora lutamos como loucos para reaver a possibilidade de termos eleições transparentes, que revelem a VERDADEIRA decisão do eleitor.

E hoje o que temos? A mais absoluta incerteza do resultado de todas as eleições no Brasil desde a adoção deste sistema em 1996, defendido tão ferozmente pelo Ministro Barroso do STF.

Um quarto de século de democracia jogado no lixo da incerteza. No possível (provável) erro que nunca poderá ser corrigido.

Nos prejuízos que nunca poderão ser ressarcidos. Este passado nunca mais será recuperado.

Agora precisamos entrar em uma luta sangrenta, com interesses extremamente poderosos para reaver algo tão simples: a verdade.

“Entregue-nos Sua Liberdade só por 15 dias. Para a sua saúde”

Escroques criminosos desclassificados de outros nomes e mesma estirpe, não felizes, vêm então e nos propõe entregarmos nossas liberdades em troca de segurança. De vida, de saúde. Contra o “mal” e a favor da “verdade”.

E o que fazemos? Entregamos. NA HORA. Imediatamente. Sem qualquer pergunta. Nenhuma.

Uma sociedade que se define majoritariamente cristã, agindo da forma mais covarde e indecente na história recente brasileira. Deixamos que fechassem até nossos templos.

Entregando seu sustento, sua empresa, seu lazer, a educação de seus filhos nas mãos de malditos dragões esfomeados por poder e dinheiro, para que cuidem. Para que nos salvem. Para que cuidem nos nossas crianças. Da suas crianças. Do futuro dos seus filhos.

Sem fazer sequer uma pergunta.

“Sem Liberdade? Oba quero mais!”

Não felizes, vamos lá e bancamos do nosso bolso a solução milagrosa das vacinas experimentais, desenvolvidas em seis meses, com tecnologia de impacto genético.

Sim, estas vacinas colocam um pequeno pedaço de material genético DENTRO DAS CÉLULAS DE SEU CORPO.

Esta não é a natureza convencional do desenvolvimento de vacinas, que fazia o uso de vírus inativados para estimular nossos corpos a detectar este corpo estranho e desenvolver defesas imunológicas.

Pode dar em nada? Pode. Pode ser bom? Pode. Podem desenvolver outras “vacinas” de mRNA com objetivos mais obscuros? Certamente. Você aceitará? Sim.

Enfim, fomos felizes (eu não) no caminho da “picadinha salvadora”, cujas eficiências são questionáveis até por qualquer brasileiro que ainda tenha mantido um mínimo de sobriedade para enfrentar a realidade, tal como ela se apresenta e não como é narrada pela Rede Globo.

Ainda não houve – e irá demorar para haver – a produção de relatórios sobre as vacinas, que informem;

  • o nível de imunização de cada uma
  • os efeitos colaterais comuns de cada uma
  • os efeitos colaterais incomuns
  • a taxa de mortalidade associada a seus usos
  • a taxa de efeitos colaterais graves associados a seus usos

E outras várias informações que, normalmente, levam quase dez anos para serem produzidas em um desenvolvimento normal de vacinas.

No momento em que o general dos dragões esfomeados, João Dória, é infectado pela segunda vez mesmo após ter se vacinado (se é que se vacinou), engolimos sua pachorra de desculpa: a vacina evita casos graves.

Vacina, por definição, evita a infecção por doenças virais e bacterianas. O que PREVINE se denomina MEDICAMENTO.

Mas todas – sem exceção – todas estas fórmulas estão aprovadas pela ANVISA como “vacinas experimentais para uso emergencial” e não como “medicamentos profiláticos”, ainda que de forma experimental.

Deixamos que mintam em nossos ouvidos com voz de comando: “Fique em Casa”.

Cospem em nossa cara, roubam o dinheiro da sua carteira sem cerimônia, dizimam CENTENAS DE MILHARES de pessoas no país ao não oferecer uma opção de tratamento inicial por motivos POLÍTICOS.

Olhe-se no espelho. Sim, há catarro em toda sua cara. Sua carteira está se esvaziando rapidamente e você não percebe.

Você tem a mínima ideia do tamanho da luta que teremos de travar nas próximas DÉCADAS para reaver o que tínhamos minimamente há pouco mais de um ano?

Você tem ideia de que pessoas hoje no Brasil tem o caráter e a vontade de entrar nesta batalha pelo bem real das pessoas? Poucas, tenha certeza. Bem poucas.

A sociedade brasileira está nas mãos de um punhado de pessoas desclassificadas, autoritárias, assassinas e bandidas. Em todas as esferas, federal, estadual e municipal, em todas as áreas da gestão pública, da saúde ao ensino, da justiça às universidades.

Há jeito? Sim, há. Mas agora será muito demorado, muito dolorido, iremos enfrentar muitas derrotas, teremos de nos alinhar estrategicamente com quem não gostaríamos.

Nós poucos que vamos para este campo de batalha precisamos estudar muito, aprender muito, absorver uma quantidade inimaginável de informações para dar início ao processo de tomar de volta nossa liberdade.

Liberdade de ir.

De vir.

De falar.

De questionar.

De pensar

De rezar.

De abraçar.

De beijar.

De conviver.

De passear.

Sim. Entregamos tudo.

Para o nosso próprio mal.

Se você entrega sua liberdade a psicopatas por causa de uma excepcionalidade, estes mesmos psicopatas criarão novas excepcionalidades para tirar sua liberdade.

césar cremonesi

César Cremonesi

Porphirio.com - Artigos da Direita Brasileira
Porphirio.com – Artigos da Direita Brasileira
Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o Autor

César Cremonesi é engenheiro, empreendedor, consultor de negócios e aluno de Olavo de Carvalho. Fundador da Porphirio, cujo propósito é o de levar conscientização política para a sociedade, com pensamento de direita, que trata os conceitos a partir de sua relação com a estrutura da realidade. Conservador, apoiador de Bolsonaro e dos Valores Permanentes do brasileiro.