Vacinação de Adolescentes: Mortes Começam a Aparecer

A vacinação de adolescentes já começa a render resultados em mortes: Isabelli, 16 anos, teve dois infartos e faleceu, cinco dias após receber a vacina.

Isabelli, 16, teve dois infartos e faleceu após a vacina
Isabelli, 16, teve dois infartos e faleceu após a vacina

Os jornalistas Guilherme Fiuza, Ana Paula Henkel e Augusto Nunes vêm levantando a questão, desde que os primeiros casos de efeitos adversos e mortes começaram a surgir no Brasil.

O Ministério da Saúde reforçou que a vacinação de adolescentes saudáveis não é permitida no Brasil, de acordo com a própria recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), organização que justamente balizou todas as ações dos governadores e prefeitos com lockdowns ineficazes e proibição de tratamento na fase inicial da doença.

Em nota oficial de 15 de setembro, a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à COVID019 do Ministério da Saúde DETERMINA:

A Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, na Nota Técnica nº 40/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/MS, revisou a recomendação para imunização contra COVID-19 em adolescentes de 12 a 17 anos, restringindo o seu emprego somente aos adolescentes de 12 a 17 anos que apresentem deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade, apesar da autorização pela Anvisa do uso da Vacina Cominarty (Pfizer/Biontech), com base nas seguintes premissas:


– A Organização Mundial de Saúde não recomenda a imunização de criança e adolescente, com ou sem comorbidades; (…)

João Dória seguirá colocando adolescentes em risco.

O governador de São Paulo, Joãço Dória, afirmou que a vacinação de adolescentes saudáveis continuará no estado.

Para referência futura, o Secretário de Saúde de SP, Jean Gorinchteyn, é este senhor.

Saúde | Governo do Estado de São Paulo

Pais são responsáveis pelos seus menores

A vacinação de adolescentes passa por uma autorização dos pais.

A sede política e financeira de João Dória já repercute com prefeituras começando a obrigar a vacinação de funcionários públicos municipais, o que certamente se espalhará para o restante da sociedade.

Um tratamento médico OBRIGATÓRIO é algo previsto apenas em países que vivem sobre regimes ditatoriais.

O Caso Bruno Graf

No último dia 24 de agosto, dez dias após receber a primeira dose da vacina Astrazeneca, Bruno Graf sofreu um AVC hemorrágico e faleceu. Bruno gozava de saúde perfeita e estava com casamento marcado.

Imagem

Sua mão, Arlene Ferrari Graf (Twitter: @ferrari_arlene), divulgou uma carta aberta ao Ministro da Saúde, Dr. Marcelo Queiroga.

Trecho da carta da mãe:

Eis que 3 (três) horas após, por volta das 19:00hs Bruno reclamou de uma dor estranha no braço, dor de cabeça e não conseguia visualizar tampouco o que ele via na parede do quarto, começou a balbuciar, perdeu os movimentos de um lado do corpo, e aconteceu o PIOR que se poderia esperar: um AVC hemorrágico gravíssimo que impossibilitou qualquer medida.

Casos pelo mundo – vacinação de adolescentes

Reações adversas estão sendo relatadas em todo o mundo. A Deputada Federal Bia Kicis, divulgou o caso de Aslan, com seu próprio testeminho.

Casos nos Estados Unidos foram divulgados pelo Senador Ron Johnson, neste link (em inglês).

Já é farto o material apontando sobre o risco de morte e invalidez. Fica a critério dos pais a DECISÃO sobre submeter seus filhos menores a este risco. Assim como ficará para os pais, e não para o Estado, acompanhar os funerais de seus filhos de 13, 16 ou 28 anos.

“Apenas 1.500 casos de reações” em vacinação de adolescentes

A retórica dos governos estaduais é que, de 3 milhões de adolescentes saudáveis vacinados, “apenas 1.500” sofreram reações adversas.

A estatística para as mães de Isabelli, Bruno e Maddie são 100%.

Atualização, 10:52:

César Cremonesi

Porphirio.com - Artigos da Direita Brasileira
Porphirio.com – Artigos da Direita Brasileira

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o Autor

César Cremonesi é engenheiro, empreendedor, consultor de negócios e aluno de Olavo de Carvalho. Fundador da Porphirio, cujo propósito é o de levar conscientização política para a sociedade, com pensamento de direita, que trata os conceitos a partir de sua relação com a estrutura da realidade. Conservador, apoiador de Bolsonaro e dos Valores Permanentes do brasileiro.