Pandemia e a Subversão Ideológica do Brasil

A crise sanitária que se abateu sobre o planeta foi utilizada politicamente como estratégia de subversão ideológica e cultural do Brasil, para destruir as propostas do governo Bolsonaro, arrasar com a economia local e com a vida do brasileiro.

Interesses de grandes corporações (industriais, financeiras e de tecnologia) juntam-se ao poder autoritário da China e, desta forma, turbinam um processo inteiro de subversão cultural de uma nação.

Um processo normalmente realizado lentamente, ao longo de 20 anos, como revelado em 1983, pelo ex-agente da KGB Yuri Bezmenov, neste vídeo.

No Brasil, dentro do processo de subversão iniciado no início dos anos 2000, implantou-se um rápido e violento processo subversivo. Vinte anos em um.

O processo de subversão de uma nação segue 4 etapas, segundo Bezmenov. De forma sucinta e como foi aplicada no Brasil:

1- Erosão Moral (fase 1 da Subversão)

Primeiro, promovem a erosão moral do Brasil, minando e ridicularizando as tradições de um país.

São atacados:

  • Religião, através do fechamento de igrejas e templos
  • Vida Social, através de lockdowns e imposição de discurso único
  • Educação, tirando crianças e jovens das escolas
  • Segurança Pública, com desencarceramento, desmoralização das polícias, do exército e proteção ao narcotráfico
  • Relações trabalhistas, promovendo desemprego e acuando micro e pequenas empresas

Este processo é realizado com toda a grande imprensa coordenando o discurso único, relativização de conceitos, promoção da ciência como entidade inquestionável e cancelando o questionamento e a racionalidade.

2- Desestabilização

Radicalização da fase 1, levada ao extremo, com:

  • Subversão da ordem constitucional do país através do Supremo Tribunal Federal.
  • Subversão dos direitos constitucionais através de medidas de restrição de liberdades, discursos, opiniões.
  • Subversão da soberania nacional, colocando o país de joelhos para a China e seus parceiros de influência global (ONU, OMS, FMI, ONGs e Fundações)
  • Investigações ilegais sobre a atuação do Presidente Bolsonaro

3- Crise (Momento atual)

Instalação de crise moral, econômica e política no país, levando o povo às ruas em apoio ao presidente (fato inesperado) e outra parcela pedindo pelo “salvador da pátria”, aquele que tiraria o país da situação construída pelos próprios subversores.

Emergência do discurso de “3ª via salvadora” e discurso “nem esquerda, nem direita”, levando à falsa sensação de que há um meio termo entre a liberdade e o autoritarismo.

4- Normalização (Fim da Subversão)

A subversão, se bem executada, termina com a tomada de poder pelos próprios subversores, agora travestidos de “salvadores”. Todos os agentes de desestabilização (imprensa, classe política, pressões internacionais) cessam os ataques e a nação voltaria à sensação de “normalidade”, agora estabelecida com a manutenção de medidas autoritárias, percebidas como normais pela sociedade.

O Brasil tem a chance de frear este processo de subversão através de:

  • Eleições livres e auditáveis em 2022
  • Reeleição do Presidente Bolsonaro
  • Ganho de governos estaduais relevantes, como SP, MG, RS e RJ
  • Aumento do número de senadores e deputados de direita
  • Aumento de número de deputados estaduais de direita
  • Restabelecimento da lei e da ordem constitucional com a renúncia de subversores dos tribunais superiores
  • Estabelecimento de ampla investigação dos atos de governadores, prefeitos, promotores, juízes e técnicos envolvidos na implantação de medidas de restrição de liberdades e de imposição de vacinações obrigatórias.

César Cremonesi.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o Autor

César Cremonesi é engenheiro, empreendedor, consultor de negócios e aluno de Olavo de Carvalho. Fundador da Porphirio, cujo propósito é o de levar conscientização política para a sociedade, com pensamento de direita, que trata os conceitos a partir de sua relação com a estrutura da realidade. Conservador, apoiador de Bolsonaro e dos Valores Permanentes do brasileiro.