João Dória: “O Açougueiro da Paulicéia” – Carnificina atinge 80 mil.

Com 34 mil mortes sob lockdown máximo, 80 mil cadáveres no total, perda de empregos e falências, João Dória e seu Centro de Contingência provocam uma carnificina no Estado de São Paulo.

As políticas de enfrentamento da pandemia adotadas em São Paulo, majoritariamente com restrição de liberdades como ferramenta única de combate encontram a mesa fria de aço inox da realidade.

Sobre esta mesa, deitam-se 80 mil cadáveres, vítimas da carnificina. Pessoas, para as quais, sob ordens do governador, não foi sequer oferecida a opção do tratamento precoce.

Dados Oficiais Confirmam o Desastre Humantário

Estudos que eu mesmo realizei com dados oficiais do Governo Federal (Ministério da Saúde), demonstram de forma definitiva que as políticas de enfrentamento em São Paulo não funcionaram.

Não farei aqui qualquer especulação sobre a validade das informações passadas pelo governo paulista ao Ministério, embora haja informações não confirmadas de inflação de números relacionados ao Covid.

Linha do Tempo do Holocausto Paulista:

Eu estava interessado em verificar a evolução do número de casos e de mortes no Estado de São Paulo durante o tempo e buscando que fatos relevantes haviam acontecido neste período.

16/10/2020

Estamos a 30 dias do 2º turno das eleições municipais e a luta do Governador João Dória era de emplacar sua marionete política, o Prefeito herdeiro Bruno Covas.

Covas vinha sob altíssimo questionamento ao realizar políticas desastrosas de combate, como a proibição da circulação de parte dos carros, que levou à uma absurda superlotação no transporte coletivo.

O estado estava sob fase verde do Plano São Paulo, com média diária de 5.000 casos novos e 150 mortes diárias.

06/11 a 10/11/2020 – O Apagão

Estamos a 10 dias do 2º turno das eleições, Bruno Covas na disputa pela prefeitura Paulista, assim como outros 500 prefeitos paulistas, na ânsia da reeleição ou da “passagem do bastão” político a um sucessor.

Entre os dias 6 e 10 de novembro, os dados de novos casos e novos óbitos não estavam sendo enviados para o Ministério da Saúde. O conveniente “incidente” ajudou – intencionalmente ou não – a tirar os números da pandemia da vista do eleitorado.

13/11/2020 A Mentira

A apenas 2=dois dias da realização do 2º turno, o Governador João Dória nega que fecharia o comércio em São Paulo após as eleições.

Neste período, os números de mortes e casos diários já havia dobrado em relação a meados de outubro, com média diária de 10.000 novos casos e mortes flertando com o índice diário de 300.

Inegavelmente, já era sabido pela maioria da população, que os números da pandemia estavam crescendo rapidamente, mas nenhuma opção de restrição foi imposta neste período, que coincide com a ocorrência das eleições municipais.

16/11/2020 A Festa “Negacionista”

No dia após a reeleição do filhote político, Dória participa de uma grande celebração da vitória, regada à aglomeração e “negacionismo” sobre a risco a que submetera 45 milhões de habitantes, que confiaram suas vidas ao governador através do voto.

Natal e Ano Novo – O Lockdown Pisca-Pisca

Orientado pelo seu Centro de Contingência, João Dória então instala políticas de lockdown apenas nos dias de Natal e Ano Novo, ao que denominei de “lockdown pisca-pisca”. Sem qualquer base em uma experiência minimamente bem sucedida em qualquer parte do mundo, o governador fechou o Estado de São Paulo e viajou para seu apartamento em Miami para gozar das festividades natalinas.

Neste momento, estamos com um total de 7.705 mortes entre os dias estudados (16/10 a 22/12). A partir deste momento, as restrições passam a intensificar e a carnificina acelera vigorosamente.

2021 – O Massacre

Com a redução do número de leitos de UTI em setembro de 2020, conforme descrito neste meu artigo, o Estado de São Paulo ficou despreparado para a segunda onda, já devidamente anunciada durante sua fase de negacionismo político-eleitoral.

O caos instala-se no Estado e o número de mortos explode.

A realidade neste momento não poderia ser mais sombria. Com o lockdown extremo já em efeito e os números de mortes ainda crescendo, não há mais saída possível para frear o Frigorífico de João Dória, a não ser com um rompimento desta política e adoção de medidas emergenciais de guerra.

É imperativo que o Governador Dória e os parlamentares paulistas entrem com pedido urgente de INTERVENÇÃO FEDERAL NA SAÚDE paulista. Ou o Estado de São Paulo será transformado em um açougue a céu aberto

Please follow and like us:

2 thoughts on “João Dória: “O Açougueiro da Paulicéia” – Carnificina atinge 80 mil.

  1. Parabéns César!
    A Parte da cronologia ficou ótima!
    Deixa claro os resultados desastrosos obtidos com o fechamento de tudo e trancafiando pessoas em suas residências.
    Cabe salientar a quebra de “cláusula pétrea” onde o direito de ir e vir foi aviltado de toda uma população!

    1. Faltam até mais coisas, Marcelo. Talvez tenhamos de filmar uma minisérie (risos). É muito fácil perdermos a perspectiva dos acontecimentos ao longo do tempo e nos atermos aos fatos de agora. Analisar possíveis relações de causa e efeito é necessário sim, agora que já acumulou-se muitos e muitos dados em todo o planeta.

      Estou preparando um dossiê dos membros do Centro de Contingenciamento do Dória. Farei uma análise sobres os curricula Lattes, portanto, vou me ater a tabular as qualificações CIENTÍFICAS dos membros. Veremos o que sairá de lá nos próximos dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre o Autor

César Cremonesi é engenheiro, empreendedor, consultor de negócios e aluno de Olavo de Carvalho. Fundador da Porphirio, cujo propósito é o de levar conscientização política para a sociedade, com pensamento de direita, que trata os conceitos a partir de sua relação com a estrutura da realidade. Conservador, apoiador de Bolsonaro e dos Valores Permanentes do brasileiro.